O embrião da idéia da criação de um Centro de Tradições Gaúchas 100 Fronteiras começou com a reuniao de Sidney Boeira e Zilda Sartor, na organizacao de Bailes gaúchos, na ocasiao de utilizava o nome Gaitaco e tradicionalistas, para diferenciar dos `outros` eventos de cunho comercial, e Apartir desses 4 ou 5 bailes

  comecaram a aparecer os apaixonados pela tradição gaúcha, como Manoel Lino e Amauri gauderio que no Passado ja haviam comandados o CTG Distante do Pago, um CTG e que não tinha resistido às intempéries naturais que acontecem no início de qualquer sociedade, em especial a gaúcha, alem de serem responsaveis pelas vindas de grupos importantes para os EUA, como Minuano, O Serranos, Gaucho da Fronteira dentre outros, e sem contar com a grande contribuicao que deram ao Tradicionalismo nos EUA.

No passado foram os que mantiveram a Chama acesa, Apartir dai comecamos a articular com pessoas chaves a possibilidade de um novo CTG, e aproveitando a vinda para Boston do Sr Zigomar Vuelma, grande mantenedor da tradicao gaucha na Florida, resolveram entao no dia 05 de Novembro de 2011, no Restaurante Oliveiras da cidade de Everett-MA, se reunir os Srs, Sidney Boeira, Amauri Gauderio,Zigomar Vuelma,Pedro Pretto, Sergio de Assis (Serjao) e Manoel Lino, (sócios fundadores do CTG) e depois de mais de 5 horas de debates, e algumas garrafas de vinho, votaram entao o nome de CTG 100 Fronteiras, e ali decidiram por unanimidade pela indicacao do Sr Sidney Boeira como Patrao interino.

Na época não existia uma sociedade de cunho tradicionalista e esporadicamente havia alguns Bailes, Porém, sempre que se encontravam com os tradicionalistas de New Jersey principalmente atravez de Valeria Shalit (filha de Barbosa Lessa, lendario gaucho), os mesmos indagavam o motivo de Boston não ter o seu próprio CTG, visto o tamanho da cidade e o seu número de imigrantes do Sul, formados por desgarrados de Santa Catarina, Parana e Rio Grande do Sul. Já com um grupo de tauras fortemente armados de idéias, era necessário que estas não ficassem só nas palavras e temas de inspiração para as rodadas de mate e, naturalmente, canha, companheira das tertúlias que eram realizadas nas casas dos vizinhos gaúchos, porém com o pensamento sempre voltado à criação de um CTG, uma sede propria.

Mais informações, acesse o sítio do CTG:
www.ctg100fronteiras.org

Endereço:
69 Norman St, Everett, MA – Sala 21J
02149 – United States

Telefone:
Sidney Boeira
(857) 207-9722

Chasque Eletrônico:
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Sítio:
www.ctg100fronteiras.org

Fonte! Chasque publicado no sítio do meu amigo e imrão Valmir Gomes, dos pagos do Rio de Janeiro (RJ) - O Cariucho e o Tradicionalismo. Abra as porteiras clicando em http://www.ocariucho.com.br/?p=8289

Contos e Causos

Caças com velas

Poucas, as pessoas cuja vida tenha deslizado serena sempre, como um dia de sol sem nuvens; raros, aqueles que valeram sempre ao abrigo da luta pela existência; e se esses assim postos ao abrigo, por uma circunstância toda especial da fortuna ganha pelos seus progenitores, se esses, digo, fossem de momento lançados àquela luta, provavelmente nela sucumbiriam, por entrarem na liça muito tarde, sem preparo algum nem o hábito da peleja e dos seus rigores nem a utilização das próprias faculdades.

Leia mais...
 
A procissão do Azambuja

Sacristão aposentado, e lavrador nas horas vagas, o Azambuja vivia num casebre no Rincão das Pulgas e era figura bastante popular na vila de Canguçu. Havia começado ainda mui guri a profissão de auxiliar eclesiástico, como uma espécie de ordenança do Padre Pâncaro. Quando da Revolução de 1893, esse sacerdote permanecera firme em seu posto na Região Sul enquanto a maioria dos vigários se mandava para cidades mais seguras, e muitas vezes os dois tiveram de levar pistola à cintura para garantir o batismo de uma criança ou a extrema-unção de um moribundo. Mais que padre, o finado Pâncaro tinha sido um herói.

Leia mais...
 
Barbeiro

Diz que um belo dia, um índio bem alegre, chegou numa barbearia juntamente com um menino, os dois para cortar o cabelo.

O barbeiro, gente mui buena, fez um belo corte no índio, que já aproveitô pra aparar a barba, enfim deu trato geral.Depois de pronto o índio, chegou a vez do guri. Nisso o índio disse pro barbeiro:

Leia mais...